FATEC - Projeto do CCR – UFSM investiga e certifica a qualidade de produtos para consumo humano e animal garantindo segurança alimentar ao centro do Estado do RS

Projeto do CCR – UFSM investiga e certifica a qualidade de produtos para consumo humano e animal garantindo segurança alimentar ao centro do Estado do RS

Postado em 29/09/2017.

Bom dia !

Parabéns à Professora Neila Richards do Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos -CCR-  pelo excelente projeto, que além de interagir com produtores rurais, empresas e indústrias, proporciona à centenas de alunos de diversos cursos o aprendizado para analisar amostras de qualquer produto alimentício, tanto para consumo humano, quanto para consumo animal.
Esta matéria pode ser vista também na nossa página no facebook:
https://www.facebook.com/FATECSM/  
Um bom fim de semana a todos,
Adalberto Meller
Sec.Exec.FATEC

O projeto “Controle de Qualidade e Valor Nutricional dos Alimentos das Matérias Primas Alimentares e Subprodutos Agroindustriais” é coordenado pela professora Drª. Engenheira de Alimentos, Neila Silvia Pereira dos Santos Richards, do Centro de Ciências Rurais, da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, que atende as demandas do mercado, sejam advindas de produtores rurais, empresas ou indústrias que necessitam obedecer aos parâmetros legais, através da verificação de amostras de produtos que são enviadas aos laboratórios físico-químico e microbiológico para aferição de sua qualidade.

Os laboratórios têm competência para analisar amostras de qualquer produto alimentício, tanto para consumo humano, quanto para consumo animal, estabelecendo o controle de qualidade e avaliação do valor nutricional desses alimentos, matérias primas alimentares e subprodutos agroindustriais, através de análises químicas, físico-químicas, microbiológicas e sensoriais, provenientes das diversas localidades da região central do RS. 

Através das análises  o laboratório investiga a qualidade de produtos e processos de produção de alimentos; promove a avaliação das características de resíduos agroindustriais, possibilitando seu uso para a alimentação animal e humana, fornece informações nutricionais da composição dos alimentos, além de proporcionar aos alunos, de diferentes cursos relacionados, tais como: Tecnologia em Alimentos, Agronomia, Medicina Veterinária, Zootecnia, Química Industrial, Nutrição e Farmácia, a possibilidade de ambientar-se com as rotinas  de análises laboratoriais, por meio de estágios; possibilitando a manutenção de equipamentos e aquisição de materiais de consumo como os reagentes químicos e vidrarias, sustento e manutenção do próprio laboratório, a partir do conhecimento das análises, pesquisas e aulas práticas.

A coordenadora Neila explica que para atender à legislação, o que é de fundamental importância, as empresas, agroindústrias e os produtores são responsáveis por atestar a qualidade dos alimentos produzidos, sendo seguro ao consumidor. Além disso, as empresas geram toneladas de resíduos compostos de cascas, sementes, caroços, palhas e polpas, soro, dependendo do tipo de alimento a ser processado, o que acarreta sérios problemas ambientais, com a produção de lixo orgânico. Os resíduos originados pelas indústrias apresentam variações, o que depende do tipo de material a ser processado que se transforma em subprodutos que irão ser aproveitados ou não para consumo humano e/ou animal.

Estes subprodutos contêm vitaminas, minerais, fibras, compostos antioxidantes e nutrientes essenciais para o bom funcionamento do organismo humano, e sua utilização de forma correta, resulta em melhor resposta de desempenho por parte dos animais e na melhoria da saúde dos humanos, portanto, é necessário conhecer as características de cada subproduto. Ela salienta ainda, que as atividades agropecuárias geram inúmeros subprodutos ou resíduos, os quais necessitam de uma caraterização e destino igualmente adequados, neste caso, são realizadas diversas análises nestes materiais e posterior utilização como ingredientes para produtos alimentícios e em formulações de alimentos para o consumo animal. Segundo a coordenadora Neila, essa é uma preocupação com o consumidor, com a qualidade dos alimentos e como consequência, uma redução dos riscos à saúde. 

Para compreender melhor 

Nos últimos anos, doenças que afetam o homem através da contaminação de alimentos têm aumentado de forma significativa. Estas doenças (DTAS) tem como sintomas mais comuns: vômitos e diarreias, podendo causar dores abdominais, de cabeça, febre, alteração na visão, olhos inchados, em casos mais graves: crianças, grávidas e idosos, o que inclusive pode ser fatal, segundo (ANVISA, 20015).

Um aspecto muito importante em relação a água, proveniente de redes de abastecimento é de que a qualidade deve ser segura para o consumo humano, sendo recomendável a lavagem e manutenção da caixa d’agua, a cada 6 meses, mantendo-a devidamente tampada; se não for de rede de abastecimento deve-se avaliar a qualidade da mesma para proceder os tratamentos adequados para a sua utilização, como, por exemplo a cloração. As análises microbiológicas devem ser realizadas com objetivos de avaliar a qualidade, diagnosticar um possível agente etiológico (verifica a causa da origem de uma determinada doença), de surtos de toxinfecções alimentares, e também, avaliar o grau de contaminação por micro-organismos patogênicos e deteriorantes, assim como, a verificação se há necessidade de orientação em monitoramento e indicações de medidas corretivas em pontos críticos de controle. Por este motivo e aspectos, o aumento nas demandas de serviços de análises laboratoriais.

A professora Neila através de amostras enviadas ao laboratório realiza as análises de produtos que serão posteriormente certificados

 A coordenadora comenta a importância da FATEC no desenvolvimento e execução das fases da pesquisa. “Desta forma, a FATEC viabiliza o desenvolvimento e execução do projeto, flexibilizando e apoiando os pesquisadores e discentes, auxiliando na promoção de atividades de ensino, pesquisa e extensão da UFSM, pois a caracterização dos alimentos consumidos na região promovem a saúde e o bem-estar da população”, enfatiza a pesquisadora.

Kelly Martini – MTb 137.25
Assessora de Imprensa da FATEC

 




Ver todas Notícias.

Desenvolvido por Fernando Denardin