FATEC - Projeto do Laboratório de Microbiologia traz perspectivas de combate a Leptospirose em animais de produção e companhia

Projeto do Laboratório de Microbiologia traz perspectivas de combate a Leptospirose em animais de produção e companhia

Postado em 12/09/2017.

O projeto de “Prevalência de Anticorpos Anti-leptospiras em animais de produção e companhia na região sul do Brasil” é coordenado pela professora Drª. Médica Veterinária, Luciane Teresinha Lovato, PhD em Virologia, do Departamento de Microbiologia e Parasitologia do CCS – UFSM. O projeto verifica a incidência de positividade para leptospirose em animais de produção e de companhia (domésticos). A pesquisa também busca melhorar a sensibilidade e a eficiência do sistema de vigilância de leptospirose na região sul do país, e no reconhecimento da magnitude das perdas econômicas na produção animal nesta região.
A coordenadora Luciane explica que a leptospirose é uma zoonose na qual os animais são hospedeiros primários, essenciais para a persistência dos focos da infecção, e os seres humanos são hospedeiros acidentais, terminais pouco eficientes na perpetuação da doença. A coordenadora salienta ainda a necessidade de ações permanentes e preventivas para que não ocorra a contaminação, por isso, ela enfatiza a necessidade de prevenção através do cuidado em vacinar estes animais. 
Quanto a questão animal a infecção se reflete na esfera econômica, principalmente quando causa contaminação em bovinos, equinos, suínos, caprinos e ovinos, espécies animais produtoras de alimentos nobres como a carne, o leite, a lã e o couro, ocorrendo perdas como infertilidade, abortos e perda de produtividade. Já os animais domésticos podem ser afetados pela contaminação e transmissão ao homem. A Leptospirose pode variar de curso subclínico, agudo ou crônico.


LEGENDA: processo de análise de amostras  

Para saber mais: 
A contaminação ocorre através da bactéria Leptospira que contamina o meio ambiente, principalmente os roedores que dejetam no solo, na água e em alimentos. No caso de animais de produção a infecção ocorre no contato com o ambiente contaminado, mas também, de um animal para outro. Os cães podem se infectar a partir da urina dos ratos presente na água ou na comida. A questão das enchentes está mais relacionada aos ratos, e não aos cães.  
Sobre os índices de contaminação foram feitas análises no laboratório em amostras realizadas de setembro de 2016 a julho de 2017 e resultaram em aproximadamente 2000 amostras de bovino, canino, equino e suínos. É importante ressaltar que os testes realizados no laboratório são feitos somente em animais, oriundo dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 
A coordenadora Luciane comenta que a pesquisa pretende ainda, após o mapeamento sorológico da circulação da bactéria Leptospira sp.
- Desenvolver e padronizar técnicas de biologia molecular no diagnóstico de testes realizados no laboratório;
- Realizar pesquisas em animais da fauna silvestre de modo geral;
- Realização de exames de detecção da leptospirose para produtores rurais e veterinários que trabalham dando assistência em rebanho de bovinos, ovinos, equinos e suínos e aqueles que trabalham com clínica de pequenos animais como cães, por exemplo;
- Fazer isolamento da bactéria a partir de animais portadores para a identificação desta e uso nos exames realizados no laboratório.
A melhoria das ações de controle voltadas aos animais refletirá na diminuição do nível de contaminação ambiental e consequentemente, na redução do número de casos da doença em humanos.
A professora Luciane salienta que a FATEC tem significativa importância no desenvolvimento do projeto, pois é um suporte administrativo que possibilita a realização do trabalho de extensão e de pesquisas, explica a coordenadora. 
Kelly Martini – MTb 137.25
Assessora de Imprensa da FATEC 
 
Você pode ver essa matéria no site da FATEC:
http://www.fatecsm.org.br/ 
  e   no facebook:
https://www.facebook.com/FATECSM/?ref=br_tf




Ver todas Notícias.

Desenvolvido por Fernando Denardin