FATEC - Colágeno de frango: uma alternativa viável para agregar valor aos subprodutos da indústria avícola

Colágeno de frango: uma alternativa viável para agregar valor aos subprodutos da indústria avícola

Postado em 11/04/2017.

 

Aproveitando a discussão sobre o setor de carnes no Brasil, observamos o projeto de pesquisa coordenado pela professora Drª Rosa Cristina Prestes do Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos/DTCA e executado pela doutoranda Michele Mantelli Schimidt do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos (PPGCTA) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

O projeto conta com a colaboração dos professores Dr. Ernesto Hashime Kubota, Dr. Renius Oliveira Mello e Dr. Marcio Antonio Mazutti da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), professor PhD. Ivo Mottin Demiate da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), professora Dra. Aniela Pinto Kempka da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), professor Dr. Rogério Luis Cansian e professora Dra. Geciane Toniazzo Backes da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) O projeto intitulado “Obtenção de colágeno a partir do resíduo de carne mecanicamente separada de ave através de hidrólise enzimática assistida ou não por ultrassom” é decorrente de uma parceria com a Cooperativa Central Aurora Alimentos, com matriz em Chapecó – SC, que é a maior cooperativa produtora de alimentos do Brasil, e referência mundial na tecnologia e processamento de carnes.

A carne mecanicamente separada (CMS) é obtida pelo processo de separação mecânica de carcaças inteiras ou partes de carcaças que já passaram pelo processo de desossa ou ainda, cortes e partes com menor valor comercial e posteriormente, destinadas à elaboração de produtos cárneos cozidos.
O resíduo deste processo é da ordem de 15% a 45% e é normalmente destinado para produção de ração animal.
Atualmente há uma maior preocupação de agregar valor e reduzir os resíduos industriais visando uma produção mais limpa. Neste sentido, a obtenção de hidrolisados proteicos e colágeno a partir destes resíduos tem recebido maior atenção e visibilidade, pois destes, podem ser obtidas proteínas e aminoácidos.

Além disso, estes hidrolisados e colágeno podem ser uma alternativa para formulação de produtos geriátricos, suplementos alimentares, bebidas para atletas ou para dietas entéricas.

Como é realizado o processo

Os métodos de extração ou obtenção de hidrolisados baseiam-se na solubilidade em soluções salinas neutras, ácidas e ácidas adicionadas de enzimas. Outro método que vem recebendo destaque nos processos de extração e obtenção de hidrolisados é o ultrassom, pois este possibilita a redução do tempo de processo e aumento do rendimento.

Objetivos do projeto

O projeto tem por objetivo a obtenção de hidrolisados proteicos e colágeno a partir do resíduo de carne mecanicamente separada de ave através de hidrólise enzimática assistida ou não por ultrassom.
A coordenadora Rosa Cristina enfatiza o apoio recebido pela FATEC para a execução desta pesquisa. 

Kelly Martini – MTb 137.25
Assessora de Imprensa da FATEC




Ver todas Notícias.

Desenvolvido por Fernando Denardin